Porque, todo filme é bom, o que atrapalha é a crítica. Ou não?

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Cisne Negro



Cisne Negro (Black Swan/EUA/2010) não é sobre a paixão da bailarina pela dança. É o mergulho total de uma bailarina na sua arte, sua entrega física, mental e emocional. É sobre ser obsecada pela perfeição, pela auto-disciplina, pela arte.
O filme retrata a vida da bailarina Nina (Natalie Portman) diante da maior oportunidade da sua carreira, ser a protagonista do clássico Lago dos Cisnes. Mas, ser a rainha do lago tem seus desafios, e o medo de não corresponder às expectativas da Companhia de dança, o receio de falhar e a pressão de ser substituída por alguém mais jovem, fazem com que Nina mergulhe em seus sentimentos mais íntimos e comprometa sua estrutura emocional.
A delicada Nina de Natalie Portman, nada mais é do que o melhor papel de sua carreira até hoje. É como se todas aquelas sequências de Star Wars e os filmes de Luc Beson no início da carreira não fizessem nenhum sentido. Natalie é a beleza e a ingenuidade do cisne branco e assustadoramente a personificação do cisne negro quando se transforma. Aliás, a metamorfose da personagem ao longo do filme é devastadora e vai muito além de uma transformação física. É uma transformação interna, que se expressa sem palavras, só através da dança.
O filme é belíssimo em todos os sentidos, na sua fotografia sombria, na direção de arte primorosa, na trilha sonora que faz do tema de Tchaikovski brilhante e finalmente pela direção de Darren Aronofsky que arquitetou tudo de forma perfeita.
É injusto pensar só em Natalie Portman no Oscar, uma vez que tudo em Cisne Negro é digno de aplausos após a cena final.
Ainda não vi todos os filmes do Oscar (e olha que os que eu vi são totalmente excelentes), mas, fica muito mais difícil pensar em algo melhor que Cisne Negro levando a estatueta dourada de melhor filme, direção e atriz esse ano.

3 comentários:

Quéroul disse...

filme lindo toda vida. uma pena que talvez não leve de melhor filme mas, de toda maneira, torço sem fim pra Aronofsky como melhor diretor.

Rafael Moreira disse...

Você deve ter lido minha crítica do quanto amei esse filme. O quanto me encantei pela performance de Portman. E é realmente injusto você saber que só esta poderá levar pra casa uma estatueta enquanto que merecia todos os cinco prêmios que foi indicado. Beijos!

Garota no hall disse...

Admito: acabou a sessão de Cisne Negro e eu estava vislumbrada. Cheguei em casa, pensei um pouco sobre o filme e liguei o computador. Fui escrever algum comentário sobre ele, mas de alguma forma o filme se dispersou em minha mente. Conclusão: foi ótimo enquanto durou; depois que acabou, restou pouco na minha memória.