Porque, todo filme é bom, o que atrapalha é a crítica. Ou não?

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Batman - O cavaleiro das trevas



Se tem uma coisa que eu nunca me conformei nos anteriores filmes do Batman, foram os excessos. Excessos de pieguice justiceira, excessos de vilões caricatos, excessos de personagens sem propósito, excesso de efeitos coloridos como se Gothan City fosse um parque de diversões. Enfim, todas aquelas coisas toscas que ficaram lá nos anos 90, além de Michael Keaton como o homem morcego, uma coisa que realmente não dá para engolir.
Diferentemente de Tim Burton e cia que fizeram do Batman dos outros filmes, por vezes, um cara bastante chato, Christopher Nolan resolveu dar alma e sentido à vida do homem morcego. Começando por mostrar que a transformação do empresário bon vivant Bruce Wayne para o cavaleiro das trevas de Gothan City, não foi assim uma tarefa fácil. Bruce Wayne é gente de carne e osso, tem dentro de si um senso de justiça comum a qualquer ser humano, não é um super homem de outro planeta e nem pode resolver todos os problemas do mundo de uma só vez. É por isso que, em 'Batman Begins' nos deparamos ainda com um herói em fase de aprendizado digamos assim, e em 'Batman - O cavaleiro das trevas' (The Dark Knight /EUA/2008) não é diferente. A diferença do herói do primeiro filme para o do segundo é gritante, claro. Batman cresceu. Mas, percebemos uma continuidade de aprendizado, que começou no primeiro filme. Só isso já é indício de que, Nolan não perdeu a mão na direção, e deixa, nós, fãs da série muito mais confortáveis na posição de expectador. Christopher Nolan sabe o que está fazendo, ainda bem.
Em outro plano, vemos uma galeria de personagens que são velhos conhecidos do público, porém, com a direção e roteiros acertados, não ficam perdidos na trama, tão pouco sobressaem ao personagem principal da história. Pelo contrário, só somatizam ao que tem sido o melhor de todos os Batman's até hoje: Christian Bale.
É indiscutível que a trinca: Batman, Coringa (Heath Ledger) e Harvey Dent / Duas-Caras (Aaron Eckhart) são o que chamamos de verdadeiros protagonistas da história. Cada um com sua contribuição para que o filme se torne o que é: uma obra prima dos filmes de super-heróis. Para cada ato anarquista e 'piadinhas espirituosas' do Coringa de Ledger, temos um Harvey Dent cada vez mais engajado e com sede de justiça, e um homem morcego preciso na sua caça ao vilão. Realmente, Christopher Nolan foi além das expectativas! Escolhas acertadas de elenco, fotografia, cenário, roteiro e um desfecho que não deixa uma interrogação no final, pelo contrário, deixa um gancho para um terceiro filme que pode ser tão bom quanto ou ainda melhor que este. O único lamento é a ausência de Heath Ledger que fez do seu último personagem nas telas, o melhor.

Que venha o próximo Batman!



7 comentários:

cinefilapornatureza disse...

"Cavaleiro das Trevas" é, sim, um filme muito bom. Porém, prefiro "Batman Begins" e sua mistura de drama com filme de ação.

Rafael Moreira disse...

Esse para mim foi o melhor papel de Ledger, não por bajulação, não há como negar que desempenho foi ótimo, dando orgulho ao velho Marlon Brando.

O Trio Batman, Coringa, e Harvey Dent é o melhor que há no filme, e o elenco de coadjuvantes não deixa a desejar também.

Achei o filme fantástico, não para e nenhum momento!

Abraço!

contra-regra disse...

Visceral, de fato. Ledger nos deixa no momento em que mais precisamos de talento, numa era marcada por estrelismos e caras bonitas e insossas. Nolan reinventa o cinema de super-herói de forma brilhante e já se fala até em Johnny Depp fazendo o Charada no terceiro filme. É esperar pra ver!

Mídia e cultura:
http://robertoqueiroz.wordpress.com

Gileade disse...

Estou me animando a ver Batman!

Rafael Carvalho disse...

Esse filme é um colosso. Um equilíbio perfeito entre o filme de aventura com o drama humano mais complexo, além de um tratado contra a violência, tudo isso travestido de filme de super-herói. E apesar do excelnete elenco, é impossível não destacar o Ledger, minimamente impecável.


Agora, tirando os filmes do Schumacher, eu gosto muito dos Batmans do Tim Burton, mas eles têm outro tom, mais próximo da proposta fantasiosa do cara. E o coringa do Jack Nicholson é excelente.

Alexandre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alexandre disse...

Eu gostei do filme, mas não sei se classificaria como uma "obra-prima". Eu preciso rever, mas lembro que gostei bastante daqueles feitos pelo Tim Burton. Porém, são estilos diferentes.

O roteiro no geral é bom, mas o quesito diálogos/falas achei meio fraquinho (principalmente nas cenas de ação). Acho que se queriam apostar em um Batman mais realista/dramático, poderiam ter feito algo melhor nesse sentido.