Porque, todo filme é bom, o que atrapalha é a crítica. Ou não?

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Um amor para toda a vida



Eu meio que me canso de filmes de época de vez em quando, sabe. Em especial, quando querem promover às custas do público, atores recén saídos de seriados de sucesso, no caso, a ex-The O.C, Misha Barton.
Então, o que se segue é muito óbvio: melodrama com requintes de novela mexicana e uma trilha sonora que tenta marcar o romance, mas, acaba por cair na cafonice.
O filme se passa em duas épocas distintas: a segunda guerra mundial, onde três amigos estão à caminho do combate, e os anos 90, onde um jovem irlandês encontra um anel de ouro no meio dos destroços de um avião. Intercalando esses dois momentos, a história se arrasta por quase 2 horas, onde o passado e presente se interligam. Mas, não se enganem, é tudo clichê dos mais mixurucos.
O elenco também, não poderia ser pior. Além da mocinha Misha Barton que faz a personagem principal quando jovem, temos uma Shirley McLaine totalmente perdida em cena. Fora o trio de amigos que parecem recén saídos de um catálogo de moda, lindos, porém inexpressivos.
A conexão entre passado e presente é tão confusa, que você se pergunta várias vezes o porque de certas cenas e personagens. E no fim das contas ainda temos que engolir uma história paralela sobre o Exército Republicano Irlandês que não tem a menor conexão com a trama principal.
Eu realmente não sei o que o diretor Richard Attenborough (de Chaplin e Ghandi) estava pensando.




Meu nome é Shirley McLaine e eu não precisava desse fiasco em minha carreira!







4 comentários:

Garota no hall disse...

Não vi e não pretendo. Justo o cara que dirigiu Gandhi e Um grito de liberdade...

cinevita disse...

Achei esse bem enfadonho e melodramático demais. E de pensar que é de Attenborough...

2 estrelas.

Ciao!

Sunflower disse...

provavelmente NUNCA verei.

gustavo disse...

Quando o Richard Attenborough erra....
vixe!!
Só vem merda... ("No Amor e na Guerra"?)

E o comentário pra essa foto da Shirley me tirou uma gargalhada!