Porque, todo filme é bom, o que atrapalha é a crítica. Ou não?

quarta-feira, 30 de julho de 2008

A Família Savage



Se hoje em dia eu fosse fazer um TOP 10 filmes dramáticos sem narrativa cansativa ou cenas que beiram ao melodrama mexicano, 'A Família Savage' (The Sagaves/EUA/2007) estaria bem no topo da lista. É claro que a belíssima dupla de protagonistas contribui para isso. E eu sou um pouco suspeita para falar de Philip Seymour Hoffman e Laura Linney, porque adoro os dois. Para mim, são dois dos melhores atores da atualidade. Tem aquele tipo de credibilidade que permite que eles façam desde qualquer blockbuster da temporada, até filmes introspectivos e com alta carga dramática.
Em 'A Família Savage' eles fazem dois irmãos que tem vidas totalmente distintas. Wendy (Laura Linney) é uma dramaturga que passa seus dias tentando emplacar um roteiro de uma peça de teatro baseada na sua infância, e nas horas vagas faz sexo com um homem casado que ela nem sabe se ama realmente. Jon (Philip Seymour Hoffman) é professor em uma universidade e escritor, e vive um momento delicado quando sua namorada ucraniana precisa voltar para seu país por não ter conseguido o green card. Um dia, eles recebem um telefonema que os informa que seu pai está demente e precisa de cuidados. Isso faz com que Wendy e Jon sejam obrigados a se reencontrarem e viver sob o mesmo teto para cuidar do pai.
Wendy e Jon anteriormente envolvidos em suas próprias vidas, agora passam a lidar com elementos do passado que esperavam nunca mais terem de se lembrar. Mas, é justamente esse retrocesso em suas infâncias conturbadas, que vai ajudá-los a entender e aceitar certas coisas, como a morte e o abandono.
Eu particularmente gosto de filmes que usam momentos de instrospecção para explicar a mente confusa dos personagens. As cenas em que Wendy e Jon observam da janela do carro o movimento das árvores e a cor do céu, é como se tivessem passado anos observando a mesma paisagem e finalmente tenham descoberto o sentido de suas vidas.
Belíssimo filme! Química perfeita entre os dois atores (Laura Linney foi indicada ao Oscar, inclusive) e direção acertada da semi-estreante Tamara Jenkins.

Trailer:

5 comentários:

Otavio Almeida disse...

Fabi,

Só eu que ainda não vi FAMÍLIA SAVAGE. Deve ser ótimo mesmo. Também não vi o TRAÍDOS PELO DESTINO. Pretendo alugar os dois neste final de semana.

Bjs!

cinefilapornatureza disse...

Fabiana, eu adorei "A Família Savage". Um filme atípico sobre famílias disfuncionais, mas que funciona demais por causa dos dois elementos que você citou no seu texto: elenco (especialmente Philip Seymour Hoffman, Philip Bosco e Laura Linney) e direção/roteiro da Tamara Jenkins.

Rafael Moreira disse...

"A Família Savege" é um filme magnífico. É claro que o elenco influencia bastante em seu resultado final. A muito tempo não via um filme de conflitos familiares assim. Tamara Jenkins conseguiu deixar o elenco super à vontade. O filme pode parecer chato, né? Um amigo me disse que era, eu até fiquei com receio em assistir, não me arrependi! ;DD

Fabiana, desculpe minha ausência por aqui! Minha semana tava cheia! Agora consegui me organizar!

Abraço!

contra-regra disse...

Você postou dois filmes em série que quero muito ver. Todo mundo que eu li até agora fala bem de Família Savage e parece que só eu ainda não vi. Preciso mudar esse quadro.

Discutir mídia e cultura?
http://robertoqueiroz.wordpress.com

Rafael Carvalho disse...

Belíssimo filme. Em nenhum momento o filme exagera no tom dramático nem na comédia simplória. Dois atores em estado de graça com um texto maravilhoso. Ótimo filme.